Saiba se você está ficando surdo

Devido a uma rotina muito agitada do nosso dia-a-dia acabamos sofrendo alguns traumas indesejados e que vem avançando aos poucos na vida da maioria das pessoas que vivem nos centros urbanos.

Muitos desses problemas acontecem quando queremos fugir de alguns ruídos locais e colocamos nosso fone com volume muito alto, a fim de substituir o barulho.

O barulho do trânsito pode afetar e muito nossa audição. A balada do final e semana. A sequência de sons altos. Tudo isso pode causar deficiência auditiva.

Aqui embaixo temos nosso infográfico onde vamos conferir juntos alguns dados que ajudam a explanar a nossa visão sobre este assunto de deficiência auditiva que é muito sério.

infografico-saiba-se-voce-esta-ficando-surdo

O que é deficiência auditiva?

Podemos definir que a perda parcial ou total é causada devido a formação irregular do sistema auditivo (causa genética), lesão na orelha ou no sistema que compõe nosso sistema auditivo.

No Brasil, a deficiência auditiva atinge mais de 9,7 milhões de pessoas. Podemos dizer que sempre temos algum conhecido que é surdo ou não escuta direito, seja ele vizinho, parente ou amigo.

Desse número total de deficientes auditivos, 2 milhões sofrem de perda auditiva severa. Já nesse caso, o uso de aparelho auditivo se torna essencial para escutar outra pessoa.

Outros dados interessantes são que 1,7 milhões de pessoas tem uma dificuldade de escutar e 344,2 mil pessoas são surdas. Outras 7,5 milhões de pessoas tem muita dificuldade de escutar.

A deficiência auditiva se faz presente em 1 milhão de crianças com 1 ano a jovens de 19 anos. O censo revela também que boa parte desse número de pessoas que possui deficiência auditiva se concentra nos centros urbanos com o número de 6,7 milhões.

Analisando o globo como um todo, a deficiência auditiva está presente em 16% da população mundial.

Níveis de deficiência auditiva

Perda auditiva Leve (de 26 à 40 Decibéis): quem sofre com deficiência auditiva neste nível, encontra dificuldades em entender sons suaves e falas em ambiente com algum tipo de ruído local.

Perda auditiva Moderada (de 40 à 70 decibéis): ouvir sons baixos ou moderadamente altos já começa a ser mais difícil e conversar com algum ruído de fundo torna o dialogo quase que impossível de entender.

Perda auditiva Severa  (de 71 à 90 decibéis): só é possível ouvir sons bem altos, mas para uma conversa é impossível manter uma comunicação, a não ser que a outra pessoas fale gritando bem alto.

Perda auditiva Profunda: o uso do aparelho é fundamental e barulhos, só aqueles que forem muito alto mesmo.

Tipos de deficiências auditivas

Vamos classificar aqui os três tipos existentes de deficiência auditiva e mostrar o que cada uma significa, qual tratamento e se é reversível ou não.

  • Condutiva: Esse caso é Reversível e é causada por algum problema no ouvido externo ou médio e sua função é conduzir o som até o ouvido. Com apenas cuidados médicos é possível curar.

Acúmulo de cera no canal auditivo gera a perda de audição, outros casos podem ser as otites.

  • Neurossensorial: tipo de deficiência irreversível. Quando ocorrido uma deficiência do ouvido interno o nome é Neurossensorial. Geralmente é genético e é irreversível, mas nem sempre deixa surdo completamente. Existe dificuldade de entender as variações do som.

Algumas doenças, como rubéola, varíola ou toxoplasmose, e medicamentos tomados pela mãe durante a gravidez podem causar rebaixamento auditivo no bebê.

Na fase adulta, meningite, sarampo e caxumba deixam esse tipo de sequelas. Infecções prolongadas e volumes altos nos fones acarretam esse tipo de problema também.

  • Mista: Quando ocorre os dois tipos de deficiência auditiva com a mesma pessoa.

Como reconhecer a Doença

  • Quando a pessoa não consegue mais entender direito o que a outra diz.
  • Quando começa a achar que o outro está falando muito baixo.
  • Surge a necessidade de aumentar o som da TV ou rádio porque acha que está muito baixo o volume.
  • Acaba dando respostas erradas porque não entendeu nada do que a outra pessoa disse.
  • Pede para repetir com muita frequência o que a outra pessoa acabou de falar umas 10 vezes.
  • Não consegue ouvir sons que todo mundo da sua casa consegue ouvir.
  • Quando a pessoa percebe surgimento de zumbido no ouvido.
  • Você ouve, mas não entende o que as pessoas falam.
  • Se isola porquê não escuta mais nada do que as pessoas falam.

O que Fazer?

Faça o nosso cheklist acima e se você se enquadra em alguma dessas questões é hora de encontrar um especialista em Otorrinolaringologia ou Fonoaudiologia o quanto antes, a fim de resolver o seu problema.

Necessário fazer alguns testes de audição e outros exames mais específicos para localizar a doença e assim começar um tratamento.

Depois de constatado a deficiência auditiva, o médico otorrino vai propor qual o melhor tratamento para cada caso. No caso do  aparelho auditivo, existem aparelhos especificos para a necessidade de cada pessoa.

 

Fonoaudiologia é uma das melhores profissões do futuro
Como escolher o aparelho auditivo
The following two tabs change content below.
Juliana Tavares

Juliana Tavares

Juliana Tavares é jornalista, empreendedora, editora de conteúdo e diretora de atendimento da j2 Comunicação. É, ainda, colaboradora da Eaxdesign, em portais de negócios, comportamento, inclusão social e turismo.

 

Nenhum comentário

Seja você o primeiro a deixar seu comentário!

Deixar um comentário

 
 



Loading Facebook Comments ...
 

Sobre nós


O portal Deficiência Auditiva foi idealizado por uma equipe de profissionais preocupada em alertar a população sobre aspectos relacionados à deficiência auditiva.

Nossas Rede Sociais

 
 

Deixe aqui sua sugestão para nossa equipe!

Preencha os campos abaixo:


Nome (obrigatório)

E-mail (obrigatório)

Descrição

Please leave this field empty.

Fonoaudiologia é uma das melhores profissões do futuro
Como escolher o aparelho auditivo
The following two tabs change content below.
Juliana Tavares

Juliana Tavares

Juliana Tavares é jornalista, empreendedora, editora de conteúdo e diretora de atendimento da j2 Comunicação. É, ainda, colaboradora da Eaxdesign, em portais de negócios, comportamento, inclusão social e turismo.